Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ancestralpampilhosense

A intenção é partilhar este meu gosto pelas antiguidades, pelas histórias, pelas tradições e tudo o que tenha a ver com o património pampilhosense e sensibilizar os descendentes da Pampilhosa da Serra a darem mais valor às suas raízes!

A intenção é partilhar este meu gosto pelas antiguidades, pelas histórias, pelas tradições e tudo o que tenha a ver com o património pampilhosense e sensibilizar os descendentes da Pampilhosa da Serra a darem mais valor às suas raízes!

Três anos do blogue Ancestralpampilhosense!!!

3 anos do blogue.jpg

Sempre gostei de velharias, mais propriamente de velharias que tenham pertencido a pampilhosenses, porque penso que preservando os objetos estou a preservar e a respeitar a memória dos anteriores proprietários.

O blogue Ancestralpampilhosense nasceu após umas pesquisas na internet sobre uma travessa e um prato grande, azul e branco, que a minha avó paterna me deu há vários anos atrás. A minha pesquisa levou-me a uns blogues muitos interessantes sobre velharias, são eles: Velharias do Luís (de Luís Montalvão), Arte, livros e velharias (de Maria Andrade) e Trapos cacos e velharias (do Flávio Teixeira). Com eles aprendi muita coisa sobre velharias e faiança. Aprendi, por exemplo, que o motivo da minha travessa e prato grande, azul e branco, se chama Cantão Popular e que não os posso atribuir a nenhuma fábrica ou fabricante, porque não tem marca.

Prato e Travessa na estante.jpg

 

E os blogues do Luís, da Maria e do Flávio fizeram-me pensar em criar um blogue, mas um blogue onde colocaria as minhas pesquisas sobre o passado pampilhosense. E este passado pampilhosense inclui a história, as pessoas, a paisagem, os objetos, etc.

Desta travessa e prato grande, sei apenas que a decoração é Cantão Popular, apesar de os achar muito parecidos com uma jarra que a Maria Andrade fotografou nas reservas de cerâmica do Museu Municipal Santos Rocha, na Figueira da Foz, e que atribuía esse tal jarro à Fábrica dos Carritos (perto da Figueira da Foz).

Não sei quem foi o fabricante desta faiança, mas sei um pouco da sua história.

A minha avó paterna, Isaura de Jesus Pereira, herdou a travessa e o prato de uma tia, irmã da sua mãe, que faleceu solteira na aldeia da Covanca (freguesia de Fajão-Vidual). O seu nome era Glória de Jesus. O meu pai sempre a tratou por Ti Glória e diz que ela era a “rainha da tigelada”. Ele lembra-se que em criança, ia com os seus irmãos às povoações vizinhas comprar ovos, para ela fazer as tigeladas que lhe encomendavam por altura das festas e casamentos.

Imagem2.jpg(Os bisavós da aldeia da Covanca com os oito filhos. A Ti Glória era irmã da minha bisavó, Maria da Nazaré de Jesus)

 

Não sei em que data nasceu a Ti Glória, mas sei que faleceu no dia 25 ou 26 de março de 1984 com 89 anos. Eu estava com a minha avó, tinha quatro anos, quando fomos ao funeral da Ti Glória, a Porto da Balsa. Apanhamos boleia no carro dos correios, que na altura funcionavam um pouco como táxis. Ficamos a pernoitar em Fajão, em casa da Ti Joaquina (irmã da minha avó) e só no dia seguinte, novamente à boleia dos correios, regressamos à aldeia de Sobral de Cima, a terra que os meus avós paternos adotaram, para afastar os filhos das minas da panasqueira.

E foi assim, através desta faiança que herdei dos meus ancestrais da aldeia da Covanca, que iniciei esta aventura do blogue. Aqui vou escrevendo memórias e colocando fotografias do passado pampilhosense, para não deixarmos esquecer as nossas raízes!

Cantão Popular com tigelada.jpg

 

Programa da Semana Santa 2014

 

 

 

A Semana Santa na vila de Pampilhosa da Serra é já uma tradição de longos anos que não podemos perder.

Vamos aliar a fé à tradição e aqui vos deixo o programa:

 

Domingo de Ramos - Dia 13 de abril

10:30 - Benção dos ramos junto à Misericórdia e procissão até à Igreja Matriz onde se segue a Eucaristia.

17:00 - Procissão do Encontro

 

Quinta-Feira Santa - Dia 17 de abril

18:30 - Missa da Ceia do Senhor (e ritual do Lava Pés)

21:00 - Procissão do Silêncio (Senhor da Cana Verde)

 

Sexta-Feira Santa - Dia 18 de abril

16:00 - Celebração da Paixão do Senhor

18:00 - Procissão do Senhor Morto (Enterro do Senhor)

21:00 - Via Sacra

 

Sábado Santo - Dia 19 de abril

22:00 - Solene Vigília Pascal

 

Domingo de Páscoa - Dia 20 de abril

11:00 - Eucarístia seguida de procissão da Ressurreição

 

 

Para as restantes freguesias não ficarem magoadas comigo, extraí do jornal paroquial "O Astrolábio" dos senhores padres Orlando e João a agenda onde poderão consultar as cerimónias das nossas aldeias.

 

 

10 de Abril de 2014

 

O dia começou por uma visita ao mercado, sim, é verdade, não mudaram o mercado apesar de coincidir com o feriado municipal. Parabéns a quem teve a iniciativa de não o mudar. Parabéns porque este dia tão importante para os pampilhosenses estava mais alegre e com mais vida. Esta foto é de um pano que estava à venda na feira. Não sabia que havia pessoas não pampilhosenses que se davam ao trabalho de mandar fazer artigos só para vender na feira da Pampilhosa. Depois segui para as comemorações do nosso feriado municipal, mais propriamente para a inauguração do Museu Municipal onde quero voltar com mais tempo para descobrir tanta coisa que desconheço. Aqui deixo um convite, visitem o nosso museu porque vale a pena visitar e revisitar!

 

fotografia antiga exposta no museu

 

O dia também foi de reencontros como se pode ver na foto que se segue.

 

 

Para mim não foi de reencontros, foi mais de encontros. Porque foi neste dia que fiquei a conhecer a esposa do Dr. Afonso, a D. Helena Rama Barateiro. Foi um orgulho conhecer a esposa de um homem tão relembrado e acarinhado pelos pampilhosenses. Também ela foi muito acarinhada pelos pampilhosenses. Eu por mim era capaz de estar horas a ouvir as histórias que só ela sabe, que só ela as viveu. Talvez um dia...

 

 

 

 

 

E termino este meu post com a fotografia da casa dos Melos (século XVIII), atualmente casa da familia Barata. É uma casa que também gostava de visitar, nem que fosse só a capela particular. Porque é dos poucos edifícios que manteve a traça original. Ainda podemos apreciar alguns edifícios no concelho da Pampilhosa da Serra que preservaram as suas origens, mas infelizmente, já são muito poucos. Mas vou descobrir e falar do nosso património edificado num post futuro.

O início

Talvez o blog tenha um nome forte demais, talvez! Forte demais, para quem simplesmente quer falar deste meu gosto pelo que foi os nossos antepassados. Forte demais, para quem não é letrada, mas antes uma aficionada por tudo o que é do nosso passado. O blog servirá para aprender e partilhar tudo o que seja relacionado com o património pampilhosense e as suas memórias. É por isso que conto com os vossos comentários, com as vossas histórias e descobertas para que estas nunca se percam no esquecimento.